15 junho, 2007

Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não o fazer!
Ler é maçada,
Estudar é nada.
O sol doira
Sem literatura.
O rio corre, bem ou mal,
Sem edição original.
E a brisa, essa,
De tão naturalmente matinal,
Como tem tempo não tem pressa...



Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.



Quanto é melhor, quando não há bruma,
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!



Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol, que peca
Só quando, em vez de criar, seca.



O mais que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças,
Nem consta que tivesse biblioteca...




(Fernando Pessoa)






Nada fazer... relaxar e deixar o tempo voar...


1 comentário:

Aquiles disse...

Esse poema saiu-me numa prova final da academia…Safei-me bem...até…Fernando Pessoa é uma personagem interessante.
Desculpe a intromissão, andava por aqui e decidi dar a cara. Encontrei este blog por acaso…deste passei para o outro onde é co-autora, gostei de ambos. Parabéns.
Já agora…continuação de boas férias, eu estou quase…mais três longos e intermináveis dias.